Privacidade a quanto obrigas

Há pouco tempo li um artigo que me deixou profundamente chocado, consta que diversas companhias, nomeadamente em US, estão a adotar uma prática de violação de privacidade na fase de contratação dos seus empregados, uns pedem o utilizador e password da conta facebook, outros pedem para que durante a entrevista acedam à sua própria conta e demonstrem o seu conteúdo privado como forma de avaliar padrões comportamentais ou até adicionarem alguém da empresa como amigo para ter acesso ao perfil. Estamos perante uma clara violação do direito de privacidade que deveria ser severamente punida, estes factos mereceram inclusivamente uma dura reação por parte do Facebook (ver em baixo).

Recordo as 3 grandes prioridades de missão da UE para com os cidadãos comunitários, “Justiça, Segurança e Privacidade”.

Não obtive relato desta prática em países da UE, mas perante situações desta natureza a ocorrer do outro lado do Atlântico em empresas Multinacionais, tenho algum receio que os métodos se repliquem para a nossa região.

Olhando para os 3 princípios elementares de missão da UE já referidos anteriormente, existem situações em que por vezes a privacidade concorre com os 2 restantes, é bastante vulgar depararmo-nos com uma certa concorrência entre o direito à privacidade e o direito à segurança, por exemplo, poderemos questionar a colocação de câmaras de vigilância em locais públicos, mas as mesmas por vezes garantem a segurança e justiça, basta olharmos para o recente episódio em França do fundamentalista Merah em que a identificação inicial foi obtida com recursos a câmaras de vigilância, entre outros tantos cenários que poderia aqui enumerar para o combate ao terrorismo e garantia de segurança e justiça, onde são invocadas exceções (Patriot ACT, etc.).

Por estas e outras razões o tema da privacidade gera-me sempre alguns mixed feelings, importa então perceber que abdicar de uma parte da privacidade em prol da segurança é algo legítimo, mas pensar o mesmo para todo o restante universo do nosso quotidiano não é certamente.

Não partilhe ou exponha os dados das suas redes sociais contra sua vontade, muito menos os seus dados de login, algo que inclusivamente viola os termos de utilização de qualquer rede social.

 

Protecting Your Passwords and Your Privacy

In recent months, we’ve seen a distressing increase in reports of employers or others seeking to gain inappropriate access to people’s Facebook profiles or private information.  This practice undermines the privacy expectations and the security of both the user and the user’s friends.  It also potentially exposes the employer who seeks this access to unanticipated legal liability.

The most alarming of these practices is the reported incidences of employers asking prospective or actual employees to reveal their passwords.  If you are a Facebook user, you should never have to share your password, let anyone access your account, or do anything that might jeopardize the security of your account or violate the privacy of your friends.  We have worked really hard at Facebook to give you the tools to control who sees your information.

As a user, you shouldn’t be forced to share your private information and communications just to get a job.  And as the friend of a user, you shouldn’t have to worry that your private information or communications will be revealed to someone you don’t know and didn’t intend to share with just because that user is looking for a job.  That’s why we’ve made it a violation of Facebook’s Statement of Rights and Responsibilities to share or solicit a Facebook password.

We don’t think employers should be asking prospective employees to provide their passwords because we don’t think it’s the right thing to do.  But it also may cause problems for the employers that they are not anticipating.  For example, if an employer sees on Facebook that someone is a member of a protected group (e.g. over a certain age, etc.) that employer may open themselves up to claims of discrimination if they don’t hire that person.

Employers also may not have the proper policies and training for reviewers to handle private information.  If they don’t—and actually, even if they do–the employer may assume liability for the protection of the information they have seen or for knowing what responsibilities may arise based on different types of information (e.g. if the information suggests the commission of a crime).

Facebook takes your privacy seriously.  We’ll take action to protect the privacy and security of our users, whether by engaging policymakers or, where appropriate, by initiating legal action, including by shutting down applications that abuse their privileges.

While we will continue to do our part, it is important that everyone on Facebook understands they have a right to keep their password to themselves, and we will do our best to protect that right.

— Erin Egan, Chief Privacy Officer, Policy

 

R-Tape Loading error,
Luís Rato

Anúncios

~ por Luis Rato em 25 de Março de 2012.

2 Respostas to “Privacidade a quanto obrigas”

  1. I will immediately grab your rss as I can not find your email subscription link
    or newsletter service. Do you’ve any? Kindly allow me know in order
    that I could subscribe. Thanks.

    • Subscription was available through the comments section. I’ve turned Subscription and RSS visible through the CSS template.

      Cheers,
      Luís

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: